Arquivos da categoria: Biblioteca

É POSSÍVEL REDUZIR CUSTOS DA PRODUÇÃO DE MUDAS?

Estudo-custosproducao

 

Conheça alternativas na palma de óleo. Acompanhe a pesquisa de Josué Valente Lima, Ricardo Salles Tinôco, Fabio Lopes Olivares, Gilson Sanchez Chia, José Ailton Gomes de Melo Júnior e Gisele Barata da Silva.

 

Acesse aqui: As rizobactérias modificam a arquitetura da raiz e melhoram a absorção de nutrientes em mudas de dendê, apesar da redução de fertilizantes

 

BIG PUSH da palma de óleo na Amazônia brasileira

Slide1

 

Ficou interessado? Confira o material aqui: 

 

MAPA DA PALMA DE ÓLEO NO BRASIL

 

Slide1

Confira o mapeamento inédito apresentado pela Agroportal a pedido da Associação Brasileira de Produtores de Óleo de Palma (ABRAPALMA):

PLANO DE ORIENTAÇÃO PARA RESTAURAÇÃO DE ÁREAS NA MICRORREGIÃO DE TOMÉ-AÇU/PA

CI-capa

Diante do desafio de proteger o capital natural ameaçado, promover a produção sustentável, mecanismos de governança territorial e o bem-estar humano, a CI-Brasil vem desenvolvendo no Bioma Amazônia a estratégia Amazônia +, que tem como pilares a Restauração de Paisagens Florestais, apoio a elaboração e implantação de Políticas Públicas, mecanismos de Governança Territorial e fortalecimento de Cadeias Produtivas Sustentáveis de Produtos Florestais.
Este documento refere-se ao produto da atividade 2.2 do projeto “Conservação, Produção e Inclusão Social: A Palma de Dendê como Vetor de Desenvolvimento Sustentável no Centro de Endemismo Belém”, e tem como objetivo apresentar o plano de orientação para restauração de áreas estratégicas para conservação e produção no contexto da atuação no Centro de Endemismo Belém, junto à empresa Agropalma, com a qual a CI-Brasil mantém parceria há mais de dez anos.
Neste sumário executivo são apresentados os principais resultados obtidos pelos estudos sobre priorização de áreas para restauração florestal na Amazônia, que compõem este documento.

Acesse o PDF:

o BIG PUSH da palma de óleo na Amazônia Brasileira

O BIG PUSH DA PALMA DE ÓLEO NA AMAZÔNIA BRASILEIRA: TRABALHO DECENTE COMO MODELO DE NEGÓCIO SUSTENTÁVEL

Autoria: Kátia Fernanda Garcez Monteiro

O objetivo do artigo é analisar a produção de óleo de palma no estado do Pará, Brasil, à luz da concepção sobre a agenda positiva do trabalho decente e através do “Big Push para a Sustentabilidade” desenvolvida pela CEPAL. Considerada como o óleo vegetal mais consumido no mundo atualmente, o óleo de Palma, se configura como uma importante fonte de emprego e renda na Amazônia Paraense. Entre as prerrogativas positivas nesta estudo de caso, estão: a) a integração entre uma agroindústria e agricultura familiar; b) criação de linha de financiamento e crédito para a cadeia da palma de óleo; c) criação de um aparato jurídico e técnico científico para a gestão ambiental da atividade produtiva; d) coordenação de espaços de diálogos institucionais favoráveis para a geração de negócios sustentáveis; e) geração de emprego e renda; f) redução da pobreza e promoção do trabalho produtivo e decente; g) alinhamento com a agenda 2030 global da ONU.

Slide1

O estudo de caso faz parte do Repositório de casos sobre o Big Push para a Sustentabilidade no Brasil, desenvolvido pelo Escritório no Brasil da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) das Nações Unidas. Os direitos autorais pertencem à CEPAL, Nações Unidas. A autorização para reproduzir ou traduzir total ou parcialmente esta obra deve ser solicitada à CEPAL, Divisão de Publicações e Serviços Web: publicaciones.cepal@un.org. Os Estados-Membros das Nações Unidas e suas instituições governamentais podem reproduzir esta obra sem autorização prévia. Solicita-se apenas que mencionem a fonte e informem à CEPAL tal reprodução.

 

Acesse o PDF: 

Caracterização da dinâmica térmico-hídrica do solo em sistemas agroflorestais com palma de óleo

interna01-torta-palmiste

Autoria: PANTOJA, C. dos A.ARAUJO, A. C. deVASCONCELOS, S. S.OLIVEIRA, L. R. deCOSTA, A. N. M.

Resumo: A atividade agrícola moderna passou a se caracterizar por sistemas de monocultivo que com o manejo inadequado do solo resulta em consequências negativas, pois, aumenta as perdas de produtividade, degrada o solo e os recursos naturais. Para minimizar esses impactos tem-se investido em sistemas agroflorestais (SAFs). Buscou-se avaliar a dinâmica térmico-hídrica em SAF devido à variação desses no espaço e tempo e a influência que a umidade e temperatura do solo exercem sobre o desenvolvimento e produção do sistema. O experimento foi conduzido em um SAF no município de Tomé-Açu/PA. Os dados foram coletados durante a transição do período chuvoso-menos chuvoso de 2019. Foram utilizados reflectômetros no domínio do tempo para determinação do conteúdo de umidade volumétrica do solo (), e, termistores, para medição da temperatatura do solo (Ts). Os instrumentos foram instalados em perfis verticais no solo, nas seguintes posições: (i) na base da planta de palma de óleo; (ii) na base da planta de cacau; (iii) empilhamento; e, carreador (iv). Os maiores valores de  foram observados nas maiores profundidades, enquanto os maiores gradientes de variação ocorreram nas menores profundidades. Com relação à Ts, a maior amplitude foi observada nas camadas mais próximas da superfície, enquanto nas mais profundas, a temperatura permaneceu mais estável. A maior variação da temperatura próximo a superfície mostra a ineficiência do solo em conduzir calor. Os dados preliminares indicam que em cada perfil amostrado há uma dinâmica diferente, sugerindo influencia do tipo de vegetação, cobertura do solo, radiação solar.

 

Acesse a publicação da Embrapa: https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1113461/caracterizacao-da-dinamica-termico-hidrica-do-solo-em-sistemas-agroflorestais-com-palma-de-oleo-elaeis-guineenses-jacq-no-leste-da-amazonia

 

Óleo de palma na alimentação de ovinos

240_F_298280995_j1JvJPgkL0HZpeJ9Q7okmxPkN8qKY9Q7

Resumo: Avaliou-se pela, técnica in situ, o desaparecimento ruminal da matéria seca (MS), matéria orgânica (MO) e proteína bruta (PB) da silagem de capim elefante e do concentrado em ovinos alimentados com inclusões de 0,0; 2,5; 5,0; 7,5; e 10% de óleo bruto de palma na MS total da dieta. Foram utilizadas dez ovelhas adultas, canuladas no rúmen distribuídas em um delineamento inteiramente casualizado com uma repetição no tempo, totalizando 4 repetições por tratamento As dietas constituíam de silagem de capim elefante e concentrado a base grão de milho moído, farelo de soja e mistura mineral, oferecidas na razão de 1,5% do peso vivo (dieta restrita) mantendo-se relação volumoso:concentrado de 1:1. A adição de óleo de palma reduziu (P<0,05) a degradação dos parâmetros avaliados somente na dieta que conteve 10% de inclusão de óleo. O desaparecimento da PB, no entanto, não foi afetado com as inclusões da fonte lipídica. Houve aumento (P<0,05) no desaparecimento até às 72 horas de incubação. Conclui-se que 10% de óleo de dendê na dieta de ovinos deprime o desaparecimento ruminal da MS e MO, mas não a ponto de inviabilizar sua utilização nesta concentração.

 

Confira a publicação da Embrapa: https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1001218/oleo-de-palma-elaeis-guineenses-jacq-na-alimentacao-de-ovinos-desaparecimento-ruminal-da-materia-seca-materia-organica-e-proteina-bruta